Pós-graduação em Nutrição Clínica e Hospitalar

Objetivos do curso

GERAL: Formar profissionais especializados em Nutrição Clínica e Hospitalar, com conhecimento para atuar nas diversas demandas na área.

ESPECÍFICOS
– Conhecer as especificidades da Nutrição Clínica e Hospitalar.
– Formar profissionais para enfrentar os desafios inerente a Nutrição Clínica e Hospitalar no cenário brasileiro.
– Conciliar o conhecimento teórico com a sua aplicação prática, de maneira eficiente e objetiva.
– Oferecer conhecimento mais aprofundado sobre os temas de afinidade do setor, de modo que os profissionais possam responder às demandas.
– Desenvolver o foco de atuação do profissional de Nutrição Clínica e Hospitalar.

INVESTIMENTO

MATRÍCULA R$89,90 MATRÍCULA R$89,90
Fique atento! A promoção acaba em::

0

dias

0

horas

0

minutos

0

segundos

 

VALORES E CONDIÇÕES

 

Solicite agora mais informações

e valores do curso

 

 

> SOLICITAR
 

 

  • Carga horária

    Carga horária

    O curso tem carga
    horária de 420h.
  • Certificação

    Certificação

    Ao final do curso você receberá seu certificado.
  • Acessibilidade

    Acessibilidade

    Assista as aulas de qualquer dispositivo.
  • Disponibilidade

    Disponibilidade

    Tempo de acesso é deimediato ao realizar a inscrição.

Capítulo 1: Saúde. 1.1 – Conceitos de Saúde. 1.2 – Políticas de Saúde no Brasil. 1.3 – Programas de
Saúde no Brasil. 1.4 – Doenças Crônicas Não Transmissíveis.
Capítulo 2: Qualidade de Vida. 1.1 – Conceitos de Qualidade de Vida. 1.2 – Meio Ambiente e Qualidade
de Vida. 1.3 – Programas de Qualidade de Vida. 1.4 – Relações da Qualidade de Vida e Políticas
Públicas de Saúde no Brasil.
Capítulo 3: Avaliação da Saúde e da Qualidade de Vida. 1.1 – Avaliação da Saúde. 1.2 – Avaliação da
Qualidade de Vida. 1.3 – Profissionais Habilitados para Avaliações de Saúde e Qualidade de Vida. 1.4 –
Relações sobre a implantação prática de modelos de avaliação de saúde e qualidade de vida.
Capítulo 4: Prevenção de Agravos Relacionados à Saúde. 1.1 – Ações de Prevenção para Qualidade de
Vida. 1.2 – Vigilância em Saúde. 1.3 – Programas de Prevenção de Agravos relacionados à saúde no
Brasil. 1.4 – Impactos das Ações de Prevenção Relacionados à Saúde.
Capítulo 5: Promoção da Saúde e Qualidade de Vida. 1.1 – Conceitos de Promoção da Saúde e
Qualidade de Vida. 1.2 – Ações de Promoção da Saúde e Qualidade de Vida. 1.3 – Programas de
Promoção da Saúde e Qualidade de Vida. 1.4 – Indicadores de Saúde e Qualidade de Vida no Brasil

Profa. Esp. Maiara Ricalde Machado Avanci – http://lattes.cnpq.br/8403889527229519

Unidade 1 – Conceitos de Políticas Públicas
1.1 Formulação das Políticas
1.2 Políticas em saúde no Brasil
Unidade 2 – Sistema Único de Saúde (SUS)
2.1 Princípio da Integralidade em Saúde
2.2 Princípio da Universalidade em Saúde
Unidade 3 – Princípio da Equidade em Saúde
3.1 Princípio da Regionalização no SUS
3.2 Princípio da Participação Particular em Saúde
Unidade 4 – Descentralização da Administração do Sistema de Saúde
4.1 Subsistema de Atenção ao Indígena (silvícola)
4.2 Teoria da capacidade aplicada ao índio
4.3 Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas
4.4 Sistema de Bancos de Sangue
4.5 Regulamentação da saúde no Brasil
Unidade 5 – Direito à Saúde na Constituição Federal de 1988
5.1 Política Nacional de Medicamentos do SUS
5.2 Responsabilidade do Estado e direito à saúde no Brasil
5.3 Responsabilidade civil
5.4 Excludentes de responsabilidade civil
5.5 Responsabilidade Civil do Sistema de Saúde

Prof. Msc. Michel Canuto de Sena – http://lattes.cnpq.br/2121160985935943

Capítulo 1. Regulação endócrina. 1.1. Regulção neural e hormonal. 1.2. Sinalização envolvida na
regulação a curto prazo da alimentação.
Capítulo 2. Sinais da regulação metabólica. 2.1. Hormônios pancreáticos. 2.2. Peptídeos intestinais. 2.3.
Hormônios tireoidianos. 2.4. Hormônios das suprarrenais. 2.5. Hormônio do crescimento e fator
semelhante a insulina – 1 (igf-1). 2.6. Catecolaminas. 2.7. Esteróides sexuais e prolactina. 2.8. Citocina
e eicosanóides. 2.9. Leptina. 2.10. Grelina. 2.11. Adiponectina.
Capítulo 3. Combustão energética. 3.1. Anabolismo e catabolismo. 3.2. Atividade física e regulação
endócrina (endorfina, GH e esteroides sexuais). 3.3. Atividade física e sistema de recuperação: BCAA,
glutamina, mTOR (Mammalian Target of Rapamycin), creatina.
Capítulo 4. Resposta metabólica. 4.1. Na lesão. 4.2. Na doença crônica.
Capítulo 5. Jejum prolongado. 5.1. Privação de energia e nutrientes. 5.2. Resposta adaptativa.

Prof. Dra. Karla Rejane de Andrade Porto – http://lattes.cnpq.br/4741758170936916

Capítulo 1. Exames bioquímicos aplicados para avaliação do estado nutricional. 1.1 Albumina sérica.
1.2 Transtiretina (pré albumina). 1.3 Proteína fixadora do retinol. 1.4 Contagem total de linfócitos. 1.5
Creatinina urinária. 1.6 Nitrogênio urinário.
Capítulo 2. Quantificações enzimáticas e de substrato para avaliação do sistema digestório. 2.1
Esôfago (Esofagites):teste da perfusão de ácidos e este do reflexo ácido. 2.2 Secreção gástrica:
avaliação da omposição do suco gástrico (HCL, pepsina, muco, albumina e globulina). 2.3 Úlcera
péptica :prova da função secretora gástrica. 2.4 Síndrome de má-absorção pré entérica: gástrica,
pancreática e hepatobiliar. 2.5 Síndrome de má-absorção entérica :doença celíaca, espru tropical,
deficiência de dissacaridases, parasitoses intestinais, síndrome de alça cega, redução da superfície
absorvente, doença de Whipple, gamaglobulimenia. 2.6 Síndrome de má-absorção pós-entérica:
Doença de Crohn), tuberculose e linfomas.
Capítulo 3. Provas de avaliação da utilização de nutrientes. 3.1 Carboidratos: quantificação da glicemia,
teste da D-Xilose, teste de tolerância à lactose, testes de frutosamina. 3.2 Lipídios: quantificação de
colesterol total e frações, triglicerídeos totais, riscos para aterosclerose. 3.3 Proteínas: quantificação de
proteínas séricas (albumina, transferrina, ferritina, fator de crescimento (semeslhante à insulina),
fibronectina, marcadores para DM (PEPTÍDIO C, anticorpo antidescarboxilase do ácido glutâmico
(antiGAD), anticorpo anti-ilhota pancreática (ICA-512) anticorpo anti-insulina), proteína urinária na
função renal, proteínas na doença hepática, PCR, CK (Creatinocinase Sérica Total) e isoenzimas.
Capítulo 4. Critérios para diagnóstico hematológico. 4.1 Hemograma completo: série vermelha, índices
hematimétricos. 4.2 Caracterização clínicas das anemias. 4.3 Células de defesa: série branca,
plaquetas e elementos coagulativos.
Capítulo 5. Exames e monitoramento do equilíbrio ácido básico. 5.1 Eletrólitos. 5.2 Gasometria. 5.3
Exame de urina. 5.4 Elementos mais importantes avaliados no exame de urina.

Prof. Dra. Karla Rejane de Andrade Porto – http://lattes.cnpq.br/4741758170936916

 

Capítulo 1 – O Trabalho integrado em Saúde: conceitos e variações. 1.1 Composição da Equipe. 1.2
Ações em potencial a serem desenvolvidas no trabalho integrado. 1.3 Aplicabilidade no contexto da
Pandemia da COVID-19.
Capítulo 2 – A abordagem Multidisciplinar. 2.1 As Práticas Integrativas e Complementares em Saúde.
2.2 A Educação em Saúde no Âmbito Hospitalar. 2.3 Indicadores de Segurança do Paciente.
Capítulo 3 – Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional. 3.1 Assistência Social. 3.2 Enfermagem.
3.3 Farmácia. 3.4 Fisioterapia. 3.5 Fonoaudiologia. 3.6 Medicina. 3.7 Nutrição. 3.8 Psicologia.
Capítulo 4 – O papel do nutricionista no trabalho integrado. 4.1 Atividades privativas do Nutricionista.
4.2 Atribuições do Profissional em Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional.
Capitulo 5 – Processos, potencialidades e resultados do trabalho integrado. 5.1 Avaliações dos
processos e inovações. 5.2 Resultados promissores do trabalho integrado. 5.3 A continuidade na
Atenção Domiciliar.

Prof. Me. Anderson Leão Nogueira Holsbach – http://lattes.cnpq.br/5636859914498472

Capítulo 1. TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL E PARENTERAL. 1.1 Conceitos básicos e diretrizes na
prática clínica. 1.2 EMTN (Equipes Multiprofissionais de Terapia Nutricional).
Capítulo 2. INDICAÇÕES E CONTRAINDICAÇÕES PARA O SUPORTE. 2.1 Definição das
necessidades por grupo de atenção. 2.2 Protocolos e triagem do estado nutricional. 2.3 Tolerabilidade e
adequação para o suporte.
Capítulo 3. TIPOS DE ACESSO E GRUPOS DE ANTENÇÃO. 3.1 Indicação da terapia nutricional e
seleção das vias de acesso para suporte de terapia nutricional. 3.2 Procedimentos e cuidado para
pediatria. 3.3 Procedimentos e cuidado para o paciente crítico. 3.4 Procedimentos e cuidado para o
idoso. 3.5 Procedimentos e características no suporte domiciliar.
Capítulo 4. FÓRMULAÇÕES E ADMINISTRAÇÃO DAS DIETAS. 4.1 Diretrizes para a determinação
das necessidades nutricionais. 4.2 :Categorização e composição química. 4.3 Dispositivos para terapia
nutricional enteral (TNE). 4.4 Vias de acesso para terapia nutricional parenteral (TNP).
Capítulo 5. MONITORAMENTO NO SUPORTE NUTRICIONAL ENTERAL E PARENTERAL. 5.1
Complicações da TNE. 5.2 Risco microbiológico associado às dietas de suporte nutricional. 5.2 Infecção
do cateter.

Prof. Dra. Karla Rejane de Andrade Porto – http://lattes.cnpq.br/4741758170936916

Capítulo 1: Métodos de triagem/risco nutricional. 1.1 Importância da detecção do risco nutricional. 1.2
Os diferentes métodos de triagem nutricional e sua aplicabilidade. 1.3 Impacto no desfecho clínico de
pacientes com risco nutricional identificado.
Capítulo 2: Avaliação Nutricional. 2.1 Sistematização do cuidado em nutrição. 2.2 Conceitos
relacionados e importância da avaliação nutricional. 2.3 Desafios da avaliação nutricional.
Capítulo 3: Avaliação Nutricional – Composição corporal. 3.1 Peso. 3.2 Estatura. 3.3 Índice de massa
corporal. 3.4 Circunferências. 3.5 Pregas cutâneas.
Capítulo 4: Outros pilares da avaliação nutricional. 4.1 Avaliação bioquímica. 4.2 Avaliação dietética. 4.3
Avaliação do exame físico.
Capítulo 5: Diagnóstico nutricional. 5.1 Histórico dos diagnósticos em nutrição e seu impacto no cuidado
sistematizado. 5.2 Definição e diferenciação de diagnósticos em nutrição. 5.3 Proposta de padronização
internacional de diagnósticos nutricionais.

Prof. Ma. Bruna Magusso Rodrigues – http://lattes.cnpq.br/1520923966998548

Prof. Esp. Yulle Fourny Barão – http://lattes.cnpq.br/2219448522839867

Capítulo 1: Plano de cuidado nutricional. 1.1 Triagem nutricional. 1.2 Avaliação do estado nutricional e
metabólico. 1.3 Diagnóstico nutricional. 1.4 Monitoramento/Acompanhamento nutricional. 1.5
Ferramentas no processo de alta e encaminhamento nutricional. 1.6 Orientação nutricional na alta
hospitalar. 1.7 Aconselhamento nutricional. 1.8 Educação alimentar e nutricional no ambiente hospitalar.
Capítulo 2: Dieta hospitalar. 2.1 Gastronomia hospitalar. 2.2 Tipos de dietas hospitalares. 2.3
Características gerais, indicações e composição alimentar das dietas hospitalar. 2.4 Dietas modificas.
Capítulo 3: Planejamento nutricional da alta hospitalar: Terapia Nutricional Enteral (TNE) e Nutrição
Parenteral (NP). 3.1 Nutrição enteral (NE) e Terapia nutricional enteral (TNE). 3.2 Equipe
multiprofissional de terapia nutricional (EMTN). 3.3 Atribuição do nutricionista na EMTN. 3.4
Suplementação alimentar oral. 3.5 Nutrição enteral. 3.5.1 Vias de acesso e localização da sonda. 3.6
Administração e monitorização da nutrição enteral. 3.7 Fórmulas para nutrição enteral. 3.8
Complicações em nutrição enteral. 3.9 Nutrição parenteral (NP). 3.9 Orientação nutricional a
família/cuidador.
Capítulo 4: Desospitalização nas diferentes fases da vida. 4.1 Desospitalização do paciente pediátrico e
em adolescente. 4.1.1 Triagem. 4.1.2 Avaliação nutricional. 4.1.3 Terapia nutricional da criança com
desnutrição. 4.2 Desospitalização do paciente adulto e idoso. 4.2.1 Triagem. 4.2.2 Avaliação nutricional.
4.2.3 Terapia nutricional no idoso desnutrido.
Capítulo 5: Nutrição na internação domiciliar. 5.1 Triagem. 5.2 Acompanhamento nutricional. 5.3 terapia
de nutrição enteral domiciliar (TNED).

Prof. Ma. Natalí Camposano Calças – http://lattes.cnpq.br/2148507249248154

Capítulo 1 – Fisiologia Celular. 1.1 Membrana Plasmática, Citoplasma E Organelas. 1.2 Bioenergética.

1.3 Respiração Celular.
Capítulo 2 – Fisiologia Do Sistema Locomotor. 2.1 Sistema Nervoso. 2.2 Sistemas Esquelético. 2.3
Sistemas Muscular.
Capítulo 3 – Sistema Cardiorrespiratório. 3.1 Sangue E Seus Componentes. 3.2 Fisiologias Cardíaca.
3.3 Fisiologias Pulmonar.
Capítulo 4 – Sistema Endócrino E Reprodutor. 4.1 Glândulas E Metabolismo Dos Hormônios. 4.2
Sistemas Reprodutor Feminino. 4.3 Sistemas Reprodutor Masculino.
Capítulo 5 – Sistema Digestório E Renal. 5.1 Esôfago, Estômago, Intestino Delgado E Intestino Grosso.
5.2 Fígados, Vesícula Biliar E Pâncreas. 5.3 Estruturas Dos Rins E Reabsorção De Sal E Água.

Prof. Esp. Sílvia Fernanda De Jesus Queiroz – http://lattes.cnpq.br/4713237011632295

Sistematização do Cuidado de Nutrição
Triagem de risco nutricional
Níveis de assistência em nutrição
Diagnósticos de nutrição
Intervenção nutricional em ambientes clínicos e hospitalares
Atribuições do nutricionista nos ambientes clínicos e hospitalares
Plano de cuidado nutricional em ambientes clínicos e hospitalares
Registros nutricionais em ambientes clínicos e hospitalares
Prontuário do paciente
Indicações e aplicações da Nutrição enteral e parenteral
Modelo de orientação nutricional em ambientes clínicos e hospitalares
Acompanhamento nutricional em ambientes clínicos e hospitalares

Capítulo 1. Caracterização dos exames de imagem para detecção de distúrbios gastrintestinais. 1.1.
Endoscopia. 1.2. pHmetria e mamometria. 1.3. Colonoscopia. 1.4. Radiografias e Exames contrastados.
Capítulo 2. Cuidado nutricional para exames de diagnóstico por imagens e intervenções do TGI. 2.1.
Cuidado alimentar no preparo para endoscopia. 2.2. Cuidado alimentar no preparo para
ultrassonografia, colonoscopia e afins. 2.3 Cuidado alimentar no preparo para as ostomias.
Capítulo 3. Avaliação Pré-operatória. 3.1. Monitoramento do risco nutricional e repercussões pós
cirúrgicas. 3.2. Abreviação de Jejum para cirurgias eletivas. 3.3. Orientações para realização de
exames bioquímicos.
Capitulo 4. Recursos nutricionais no-pré operatório em pediatria. 4.1. Avaliação pré-operatória em
pediatria. 4.2. Recomendação para abreviação do tempo de jejum.

Capítulo 5. Abordagem nutricional em casos especiais. 5.1. Pré-cirúrgico na oncologia. 5.2. Pré-
cirúrgico na doença cardiáca. 5.3. Pré-cirúrgico bariátrico.

Prof. Dra. Karla Rejane de Andrade Porto – http://lattes.cnpq.br/4741758170936916

CAPÍTULO 1 – CONTEXTO DA GASTRONOMIA HOSPITALAR. 1.1 Definições e aspectos da
Gastronomia Hospitalar. 1.2 Contexto histórico e inovações na gastronomia hospitalar.
CAPÍTULO 2 – DIETOTERAPIA E GASTRONOMIA. 2.1 – Dietoterapia de doenças crônicas e agudas.
2.2 – Tipos de dietas: classificação e modificações.
CAPÍTULO 3 – TÉCNICA DIETÉTICA E GASTRONOMIA HOSPITALAR. 3.1 – Grupos de alimentos. 3.2
– Seleção dos alimentos – perspectiva técnica e social. 3.3 – Métodos de cocção.
CAPÍTULO 4 – GERINDO UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO HOSPITALAR. 4.1 –
Aspectos normativos na produção de alimentos e refeições. 4.2 – Ficha técnica de produção. 4.3 –
Desenvolvimento de cardápios. 4.4 – Processos de produção.
CAPÍTULO 5 – INFLUÊNCIAS DA GASTRONOMIA NA ALTA HOSPITALAR. 5.1 – Políticas públicas de
atenção domiciliar. 5.2 – Administração de Terapia de Nutrição Enteral em domicílio. 5.3 – Reeducação
alimentar no pós-alta.

Prof. Me. Gabriel Barbosa – http://lattes.cnpq.br/7995661024390232

Profissionais graduados em nutrição.

Fale Conosco pelo WhatsApp
preloader